Marcia Tude rebate Luiza Maia e diz: “é importante que o nosso poder de fala sirva para formular, construir e executar, não para fazer politicagem

0

Acho que precisamos inaugurar um novo momento na política em Camaçari, onde melhorar a vida das pessoas seja nosso maior compromisso. Vivemos grandes transformações sociais nos últimos anos, e isso corrobora numa série de avanços nos direitos das mulheres. Não vamos permitir retrocessos. Não podemos!

O enfrentamento precisa ser feito e muito se fala sobre sororidade, que nada mais é que a união entre nós mulheres baseado no princípio básico da empatia e do companheirismo, então é inadmissível que uma ex-parlamentar ao invés de comemorar a reativação do conselho municipal dos direitos da mulher, negue a nossa existência. É inadmissível que ao invés de usar sua voz para falar da entrega do Centro de Referência e Atendimento a Mulher (CRAM) completamente requalificado, que tem um papel renovador de assistência e acolhimento a milhares de mulheres em nosso município, negue a existência desse equipamento público. É importante lembrar que está em andamento também a construção de seis novas creches, com inaugurações previstas até o final do ano. Só a mulher que estuda e trabalha para garantir o sustento da família sabe a importância de ter um espaço que dará todo suporte e amparo para que seus filhos estejam seguros. É importante lembrar também que o governo apresentou o programa bolsa social e o auxílio aluguel através da Secretaria de Desenvolvimento Social (SEDES), que tem como objetivo contribuir com uma renda complementar para garantir a moradia e o alimento das famílias, bem como outros benefícios. Temos o programa Cultura Todo Dia, que garante o direito à cultura, proporcionando um espaço de aprendizado, arte e lazer.

Formulamos e executamos políticas públicas nessa gestão que afeta diretamente a vida das mulheres de Camaçari, é desonesto dizer o contrário, dizer, por exemplo, que o CRAM está fechado enquanto está aberto e totalmente requalificado.

Então é importante que o poder da nossa voz sirva para formular, construir, ajudar, informar as mulheres sobre os nossos espaços de direito para que eles possam ser cada vez mais ocupados, e não para fazer politicagem.

Sobre Luiza Maia, a respeito enquanto mulher, cidadã, parlamentar, divergimos apenas na política. E seu lugar é a frente dessa luta. As cadeiras ocupadas pela ex-vereadora, presidente da Câmara, ex-deputada e secretária do Estado foi legítimo. É uma vitória eleger mulheres nos espaços de poder que historicamente nos foi restringido, afinal não comemoramos nem um século que conquistamos o direito ao voto, então é importante fazer uma reflexão do que um mandato feminino representa para nós mulheres. Não somos mais objetos de discurso e sim sujeito.

É permitir que o machismo reverbere da forma mais cruel que existe, uma mulher que ocupou tantos espaços de luta sair em defesa de um projeto de poder comandado por um homem. Não podemos permitir que eles todos os dias nos digam o que fazer e estejam por trás dos nossos discursos. Acredito que existam grandes mulheres por trás de um ex-prefeito inelegível, que as utiliza apenas para um único fim: retornar ao poder a qualquer custo.

Militar no movimento de mulheres é um lugar de enfrentamento, não há lugar para negociações em um espaço construído arduamente.

Entendo e anseio que muito mais precisa ser feito, enquanto cidadã, membro do Conselho Municipal de Mulheres e secretária de Cultura, darei minha contribuição para garantir que os nossos direitos estejam assegurados e na luta para que muito mais nos sejam garantidos. As políticas públicas precisam ter um impacto transformador na vida das pessoas, sobretudo das mulheres, é uma reparação histórica e o Prefeito Elinaldo tem se esforçado muito para isso”, falou a secretaria de Cultura, Márcia Tude.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui